sábado, 14 de agosto de 2010

Não é justo... Amar assim?



(Aperte o play e leia)

Tem dias em que tudo parece nublado, triste, trabalhoso e as pessoas estão com semblantes sérios e sisudos. São dias em que você quer sorrir, espalhar alegria e felicidade. Explicar, dizer e mostrar a todos que o amor pode tudo, que basta um sinal de atenção, compreensão e partilha para saber espalhar que tudo é possível se você acredita no seu potencial e nas mudanças que decisões provocam. Toda ação tem reação, toda dor pode ser suprida por um novo recomeço, ainda que se pague um preço alto, mas necessário para o amadurecimento.

Eu acredito na felicidade e no amor. Eu procuro um amor de verdade, um amor de partilha, um amor igual, um amor de amigo, um amor de sorriso, de choros, um amor de sacrifício e felicidade ímpar. Penso que todos os dias existe um mundo novo de sentimentos a serem desvendados e correspondidos, mas eu sei que alguns dias tudo pode dar errado, e que humores são diferentes, não existe sorrisos cotidianos, que o ser humano é um eterno insatisfeito, sempre buscando meios para suprir sua necessidade. Mas, cara, na vida pague-se um preço por decisões arriscadas e abruptas.

Não é justo um amor ser maior que o outro, quando se há cobrança e vive um dia como se fosse o último. A verdade é que sou intenso, mas sou sincero no que o meu coração espelha sobre os sentimentos que sinto por quem amo. Não queria ser só mais um, um passageiro que apenas ficou e agradou, não. Eu queria ser a pessoa certa, que procura ouvir, conversar, aconselhar e ser o melhor amante do mundo. Ter o prazer de saber cada reação dela e poder ajudar sempre que possível, elevar sua auto-estima quando estiver triste, invadir os seus sonhos sombrios para protegê-la do mau. Queria sempre que possível mostrar para a pessoa que eu amo, que a vida é feita de surpresas boas e más, mas que tiramos lições dela. Queria que com o meu amor ela acreditasse, com todas as forças, que todo ser humano tem direito a uma segunda chance na vida de buscar ser feliz. Queria que ela olhasse nos meus olhos e visse que a minha entrega não foi ao acaso, mas real. Que acreditasse que os meus erros não são para atingi-la, mas por ser um humano que como outro pode sim ser falível, natural. Qual a graça da vida se não temos um amor a quem ensinar e aprender também.

Guardo momentos lindos, guardo olhos tão carentes e vislumbro felicidade. Me dói tanto ver que num dia ruim eu ainda me pego sendo um menino carente, que mesmo homem feito posso estar precisando só um pouco da atenção que preciso. E, ainda assim, tudo pode se transformar numa discussão tola e que esgota meu espírito, me tira o ânimo e destrói minha auto-estima. Por vezes me pego sozinho, pensando, refletindo, sei que tudo pode voltar ao normal e sem mais nem menos transformar numa gongorra de idas e vindas que não acrescentam muito, mas minam uma relação que, para mim, poderia ser a mais linda história de amor do mundo. Queria muito. De verdade.

Gostaria que o mundo fosse um lugar lindo, onde pudesse vislumbrar em cada canto um sorriso espontâneo como o dela e ver que um gesto simples tem a capacidade de transformar uma vida, sem cobrança de nada, apenas pela capacidade de amar e estar juntos na dificuldade e na felicidade. Companheirismo é isso. Queria mesmo ser o homem ideal, mas não sou. Sou um cara comum, caminhando por uma corda bamba, que vive um dia após o outro no limite emocional e sabendo que vai partir mais cedo do que se pensava.

Seria louco se não confessasse que na vida muitas coisas são efêmeras, passageiras, que as relações são maravilhosas, mas que as melhores são aquelas que vivemos todos os dias, onde uma palavra do companheiro, sua força, sua vibração real é o suficiente para fazer de um dia ruim o melhor de todos os dias, com direito a uma satisfação por tudo aquilo que a relação representa.

Um dia, caminhei até o mirante num fim de tarde e fui pensar sobre os últimos meses da minha vida e busquei compreender o que havia transformado ela a tal ponto de eu passar os dias mais sorrindo do que triste. Tracei uma linha de tempo e lembrei de cada detalhe. Havia o tolo, solitário, buscando encontrar um sentido na vida sentimental, formando amigos e se envolvendo em relações passageiras, sem futuro, apenas pelo ficar, o sexo pelo sexo e nada mais, com envolvimento emocional nenhum. E o vazio atroz por não ter uma cara metade que o compreendesse, que ouvisse e ajudasse nos momentos mais necessitados. Buscava em encontros passageiros um suporte para viver sem cobranças, mas paguei um preço alto e não tinha sentido, me deixei levar pelo acaso. Desenhava um FODA-SE e ia para a noite. E no outro dia tinha um vazio, uma comoção pela solidão. Eram corpos, não eram reais para a minha necessidade de ter uma companheira, uma amiga, uma amante, uma pessoa que me amasse tanto quanto eu a amava e via a necessidade de ser sempre prestativo.

A vida dá tantas voltas, escreve passagens que não esperamos. Hoje eu reflito e como no dia que fui ao mirante, sei que fiz um balanço cruel e real, mas necessário para compreender que no momento o meu coração tá em paz, que a minha vida tá equilibrada e que tenho inspirações para viver melhor por um amor que vivo um dia após o outro. Correndo o risco de cair da corda bamba e devastar tudo, mas vivo.

Nos dias ruins penso nela como um alento, como um sol que brilha na minha escuridão, trazendo luz. Existe dias então que tudo dá errado, que as coisas não se acertam, que um ato pode alterar tudo e a saudade, o amor relegado a bobagens de um apaixonado, ditos óbvios que não servem para mais nada. As desculpas se esgotam e eu mesmo estou cansado.

Nesse limite entre o quase absoluto e os momentos mais lindos que pude viver, tudo que me resta são lembranças. Eu digo que a vida prepara surpresas que não esperamos, que nos momentos de mais necessidade e extrema tristeza, se você é uma pessoa boa, amorosa e piamente creda na felicidade, terá o encontro com o seu par perfeito, e... Olhe, ele não é perfeito, mas humanos e fadado a erros e acertos. Use a lógica e pense em como a vida pode ser boa, num momento em que estava descrédita da real palavra amor, alguém apareceu na sua vida para tentar resgatar esse termo e mostrar que tudo pode ser resolvido se você acreditar nas mudanças.

Queria ser o eterno, marcoseterno de fato, mas é tão difícil. O mundo tá complicado, as pessoas mais frias, egoístas, singulares nas suas escolhas. Digo que o pra sempre não existe, mas que com um pouco de fé, amor e paciência o fim não existe, mas uma passagem para um recomeço sempre melhor.

Tem dias que choro... Tem dias que sorrio.... Tem dias que queria morrer por amor... Tem dias que queria viver apenas...

A vida é muito curta, tudo é passageiro, mas dependendo de quem está ao seu lado, a vida é uma aventura cheia de surpresas, sorrisos, choros e fortes emoções, mas diferente o suficiente para você saber que a partilha com o ser amado é uma oportunidade única e sem volta.

Na despedida inevitável, caso ocorra... Lembre, tudo que fiz foi por amor. Por acreditar que com ele poderia transformar o nosso mundo num lugar melhor, onde as pessoas vão sempre te respeitar e acreditar no seu real valor.

Hoje é um daqueles dias em que estar sozinho me dói, pois o cansaço toma conta de tudo... Aqui, sem você, tudo caminha para mais um sonho sem volta. Mas sempre deve restar um boa noite e beijos.

No cair de lágrimas, sorrindo ao ouvir aquela canção...

Boa noite, beijos.

Um comentário:

FreakButterfly disse...

Adorei, é meloso, mas profundo e verdadeiro! =]
Parabens!